Ir para conteúdo

Casa cheia na segunda parte do Colóquio "José da Silva Carvalho e o Bicentenário da Revolução Liberal de 1820"

30 out '19
Notícias
Abertura da 2.ª parte do Colóquio

A vida e obra de uma das personalidades  mais ilustres da história de Santa Comba Dão  esteve uma vez mais em destaque, com a realização, no passado sábado, 26 de outubro, da segunda parte do colóquio "José da Silva Carvalho e o Bicentenário da Revolução Liberal  de 1820".


Com o auditório repleto deu-se continuidade ao debate e partilha sobre o legado desta figura histórica, que viveu "várias vidas numa só", através da abordagem de duas facetas do percurso de Silva Carvalho  que não haviam sido aprofundadas na primeira parte do colóquio, nomeadamente o papel que desempenhou no âmbito da magistratura territorial e a ligação à maçonaria.

Também durante esta sessão foi apresentado o livro de banda desenhada de António Neves (argumento) e Santos Costa (desenho) "José da Silva Carvalho - Um Líder no liberalismo" e entregues os prémios aos jovens alunos participantes no concurso "Sabes quem foi José da Silva Carvalho?", em dois momentos bastante participados, associados ao objetivo do Município de Santa Comba Dão em divulgar esta figura histórica junto de várias gerações.

A organização da segunda parte desta iniciativa coube, mais uma vez, ao Município de Santa Comba Dão, que contou, igualmente, com as parcerias do Centro de Formação da Associação de Escolas do Planalto Beirão (CFAEPB) e da Associação de Estudos do Baixo Dão.

Recorde-se que já nos  dias 1 e 2 de junho, um reputado leque de oradores tinha dado a conhecer a vida e obra de Silva Carvalho, nomeadamente a sua participação determinante na revolução liberal de 1820. Ao longo da primeira parte do colóquio, marcada também pela presença de um elevado número de participantes, falou-se de  Silva Carvalho, das revoluções liberais na Europa e da revolução portuguesa de 1820, do governo do Reino e das Cortes Constituintes, do papel do político santacombadense na construção do regime Cartista,  e do seu desempenho como ministro da Fazenda e da Justiça. Houve, ainda, lugar a comunicações sobre o papel que teve na construção do regime Cartista e a memória de Silva Carvalho na Torre do Tombo e na família.

A par de outras iniciativas que o Município promove entre 2018 e 2020, este  colóquio (partes I e II) enquadra-se no programa comemorativo,  "1818-1820 | 2018-2020 - José da Silva Carvalho e o Bicentenário da Revolução Liberal de 1820", que teve início duzentos anos depois da fundação do Sinédrio, associação revolucionária na génese da  revolução liberal, que trouxe ao nosso país os ideais da “liberdade, igualdade e fraternidade”.

  A 2.ª parte do Colóquio
A sessão de abertura desta segunda parte do colóquio sobre Silva Carvalho foi marcada pelas intervenções do  presidente da Câmara Municipal de Santa Comba Dão, Leonel Gouveia,  da diretora do CFAEPB, Rosa Carvalho, e do trineto de José da Silva Carvalho, Nuno de Siqueira. Os três intervenientes foram unânimes em destacar a importância desta iniciativa, no âmbito do estudo e  divulgação de Silva Carvalho, enquanto figura central do liberalismo e da história portuguesa.

Leonel Gouveia anunciou  que, em 2020, Santa Comba Dão vai comemorar o bicentenário da revolução liberal, uma celebração que, registou com agrado, "coincide com os 200 anos da Filarmónica de Santa Comba Dão". O representante máximo da autarquia reforçou, ainda, o objetivo do Município em  continuar a divulgar o nome de Silva Carvalho e o importante desempenho no Portugal da sua época, com consequências até aos dias de hoje. 

Já Rosa Carvalho sublinhou  o facto desta segunda parte do colóquio constituir uma ação de curta duração certificada, salientando a importância da aplicabilidade e rentabilização, em contexto escolar, do conhecimento apreendido durante a iniciativa, relacionando-o com os conteúdos programáticos das diferentes disciplinas.

Por fim, o trineto de José da Silva Carvalho, Nuno de Siqueira, agradeceu a homenagem feita ao seu antepassado, um "homem importante", que "contribuiu para uma alteração substancial da vida política e económica do Portugal do século XIX". Na sua intervenção revelou ainda que a família cultiva a tradição de honrar Silva Carvalho, fazendo perdurar a sua  memória ao longo de várias gerações,o que o levou a constatar, com bastante satisfação, a presença de vários descendentes na plateia.

As comunicações desta segunda parte do colóquio ficaram a cargo de   Nuno Camarinhas (CEDIS - Faculdade de Direito, Universidade Nova de Lisboa), que falou sobre "José da Silva Carvalho na Magistratura Territorial, entre a sua formatura e a Revolução de 1820",  e de António Ventura (Faculdade de Letras de Lisboa, Departamento de História, Universidade de Lisboa) que abordou o tema "José da Silva Carvalho e a Maçonaria".

Intervenção de Nuno CamarinhasNuno Camarinhas deu a conhecer o percurso inicial de Silva Carvalho   na magistratura, num período anterior à assunção do cargo de primeiro presidente do Supremo Tribunal de Justiça. O orador enunciou os principais marcos de uma carreira que Silva Carvalho foi cimentando até à revolução liberal de 1820  e revelou  pensadores e personalidades que  influenciaram o  seu percurso. Falou de alguns dos principais acontecimentos do seu percurso profissional, como o cargo de juiz de fora em Recardães,  onde se notabilizou durante a 3.ª Invasão Francesa, e posteriormente o de juiz dos órfãos, no Porto. Foi, precisamente, nesta cidade, que  anos mais tarde, e  inspirado pelos ideais liberais, Silva Carvalho ajudou a fundar o Sinédrio, a associação revolucionária que esteve na origem da revolução de 1820.

Intervenção de António Ventura"José da Silva Carvalho e a Maçonaria" foi  tema da segunda apresentação da manhã, com António Ventura a dar uma verdadeira lição de história aos presentes, mostrando como alguns dos acontecimentos políticos mais importantes do século XIX influenciaram a própria história da maçonaria e como os políticos maçons, presentes em organizações e cargos determinantes, marcaram e, sobretudo, revolucionaram a  história do país. O orador falou ainda da partilha dos princípios do liberalismo - liberdade, igualdade e fraternidade -   pela maçonaria e de  como esse ideário comum alicerçou acontecimentos históricos determinantes na época. José da Silva Carvalho, que foi Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano e posteriormente do Rito Escocês, foi apontado como  um dos políticos com uma influência decisiva na história do país  e "no desenvolvimento da maçonaria em Portugal",  com um percurso tão relevante quanto atribulado, como atribulada foi a  história portuguesa  no século XIX.


Lançamento do livro de banda desenhada "José da Silva Carvalho - Um Líder no Liberalismo"
Apresentação do livro de banda desenhada Um dos pontos altos do programa da iniciativa foi o lançamento do livro de banda desenhada "José da Silva Carvalho - Um Líder no Liberalismo", da autoria de António Neves (argumento) e Santos Costa (desenho), dois autores que, de forma inteiramente pro bono,  se aventuraram na narração de uma vida de aventuras - a vida de Silva Carvalho.

Concebido a pensar nos alunos e nos conteúdos da disciplina de história associados à revolução liberal,  este livro trilha o percurso de Silva Carvalho, que muitas vezes se confunde com a história de Portugal na sua época. Tal como revelou Leonel Gouveia na sessão de lançamento: "o argumento de António Neves, coordenador do programa comemorativo "1818-1820 | 2018-2020 | José da Silva Carvalho e o Bicentenário da Revolução Liberal de 1820" conduz o leitor pela vida do político liberal, desde a sua infância até aos principais palcos de decisão política do país. Vila Dianteira, São João de Areias e Santa Comba Dão são também importantes centros da ação deste belo exemplar da 9.ª arte, que combina, de forma hábil e interessante, a biografia, por vezes trágica,  do homenageado e vários marcos da história  do nosso  país,  com episódios de grande comicidade, reveladores da argúcia e da capacidade de improvisação de Silva Carvalho.  A arte e traço de Santos Costa envolvem o leitor no ambiente da época, retratando com intensidade  e expressividade a vida de Silva Carvalho.

O representante máximo da autarquia deixou, ainda, expresso "um sincero agradecimento aos autores por  se terem  aventurado  na criação deste excelente exemplar de banda desenhada". "A vida e obra de Silva Carvalho vai, agora, chegar  a todas as gerações de uma forma simples, acessível e sobretudo atrativa", disse.

Durante o lançamento, o argumentista António Neves realçou que esta obra foi concebida a pensar nos alunos, dando a conhecer a história de Silva Carvalho, associada ao capítulo do liberalismo, de um modo atrativo, informativo, educativo e, sobretudo, acessível. O autor apontou ainda alguns temas mais aprofundados nesta biografia, como  o facto do político liberal deixar de ser apresentado como filho de humildes lavradores, o registo, com algum detalhe, da passagem da 3.ª Invasão Francesa em S. João de Areias, bem como a influência do pensamento económico-filosófico britânico em Silva Carvalho e no Liberalismo Português. Outros aspetos aprofundados correspondem às fugas cómicas que o político protagonizou, a relação do liberal com a esposa e com a família, e o facto de Silva Carvalho não ser um homem só na sua terra e região, havendo muitos que, com ele, partilhavam os mesmos ideais.

Também o  ilustrador Fernando Santos Costa  classificou Silva Carvalho como um homem extraordinário, uma figura de topo que dignifica todos os santacombadenses, uma figura de referência da nossa história. "Um homem que sofreu, que esteve desterrado, um homem que lutou pela liberdade, que lutou pela magistratura, que foi um verdadeiro revolucionário".  A admiração  pelo político santacombadense levou o ilustrador a aceitar, sem hesitações e graciosamente, a proposta do Município de Santa Comba Dão. Tudo  "para a elevação daquele que foi o precursor da liberdade que hoje gozo", concluiu. 

Santos Costa deixou ainda uma mensagem especial ao António Neves,  pelo excelente argumento, pautado pelo rigor histórico,  que constituiu uma base sólida, que norteou todo o trabalho de ilustração.


Entrega de prémios do concurso "Sabes quem foi José da Silva Carvalho?"
No final do colóquio,foram chamados ao  jovens participantes no concurso "Sabes quem foi José da Silva Carvalho?", que - ao longo do passado ano letivo - envolveu a comunidade escolar, na pesquisa e estudo da  vida e obra do político liberal santacombadense. Os alunos participantes elaboraram trabalhos escritos e desenhos, tendo inclusive sido idealizado um jogo. Foram eles Afonso Sempere Rosa, Francisco Rios Vicente, Inês Ganhão Coelho Tinoco, Lara Ferraz Cardoso, Martim Cordeiro de Morais, Beatriz da Silva Marques, Diana Castanheira Pinto, Eva Figueiredo Freitas, Leonor Durães Pereira Miranda, José Emanuel Miranda Simões Figueira Duarte, Ana João Viegas dos Santos Durães Tomás, Carolina Romão Pinheiro, Maria Francisca Miranda Homem Coimbra Cardoso, Maria Pedro Matos Pinto e Juliana Costa Gomes.

Durante a sessão foram, também, chamados ao palco representantes de alunos da turma 5.º A do Agrupamento de Escolas de Santa Comba Dão, que participaram na rubrica da Rádio Miúdos  "Um Herói da tua Terra", com um programa sobre Silva Carvalho.