Ir para conteúdo

As memórias e lições dos incêndios transpostas para uma obra de arte comunitária

As memórias e lições dos incêndios transpostas para uma obra de arte comunitária

06 fev '24
Município

O quartel dos Bombeiros Voluntários recebeu, no final da tarde de 3 de fevereiro,  a apresentação de uma obra de arte comunitária, resultante da  residência artística, associada à experiência dos incêndios de 2017, que decorreu ao longo de quatro dias, em território concelhio. Dinamizada  por um coletivo de artistas e investigadores dos projetos internacionais FIRE-RES e Lament, a iniciativa arrancou a 31 de janeiro, com o objetivo comum de estudar a recuperação das comunidades após catástrofes de grandes dimensões.

Integrado por elementos de várias nacionalidades, o coletivo artístico e científico percorreu a geografia do incêndio, numa ação articulada com o Município e com a Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões, através do técnico André Mota.

Junto à comunidade, as artistas e investigadoras dinamizaram  várias ações de partilha sobre a experiência do fogo, transpostas para uma tela, à qual foi dado o título provisório de painel da resiliência. Este mapa /painel traduz uma obra de arte coletiva,  que  traz à memória o impacto físico e psicológico da tragédia, transportando, também, mensagens de esperança e  lições para o futuro.

Construído por todos os participantes no projeto, o painel vai muito além do  mapa do fogo. Nele estão representados os aglomerados mais fortemente afetados pelos incêndios e a longa noite de 15 de outubro. Está presente a floresta - desde as espécies autóctones às invasivas. É também deixado um frasco de sonho e esperança e uma 'caixa postal' com mensagens para o futuro. Há uma  linha vermelha que marca o combate ao incêndio pelos Bombeiros Voluntários, que se cruza com a  azul dos cursos de água e uma  linha branca reveladora da "cicatriz" do incêndio. Por todo o painel, há mensagens escritas e/ou desenhadas, na primeira pessoa, sobre a vivência dos factos e a aprendizagem que daí adveio.

Na apresentação deste trabalho coletivo reuniram-se algumas das muitas pessoas que ao longo destes dias deixaram a sua impressão neste painel, num momento de partilha bastante emotiva. As intervenções focadas na importância deste projeto e no agradecimento à comunidade estiveram a cargo das representantes do projeto Lament, a artista Margherita Pevere e a investigadora Celine Charveriat, bem como das investigadoras envolvidas no projeto europeu FIRE-RES:  Conceição Colaço, do  Instituto Superior de Agronomia (ISA) da Universidade de Lisboa- Centro de Ecologia Aplicada Baeta Neves, e Brigite Botequim e Madalena Ferreira, do CoLAB ForestWISE®.

Também do Município, o presidente da  Câmara, Leonel Gouveia, e a psicóloga Tânia Ricardo, que acompanhou diretamente este projeto,  sublinharam a relevância desta experiência - artística, científica e sociológica  - resultante   numa obra,  que" reflete bem o 15 de outubro e os dias seguintes". Uma obra de arte coletiva que dá nota do impacto físico e psicológico de muitos daqueles que viveram os incêndios de 2017, surgindo também - e tal como referiu Tânia Ricardo - como uma prova da resiliência das populações. 

Em meados de junho, este painel vai ser dado a conhecer numa exposição em Bruxelas, levando para o patamar europeu a memória dos incêndios e as mensagens para o futuro da comunidade de Santa Comba Dão.