Ir para conteúdo

Pinheiro de Ázere

A freguesia de Pinheiro de Ázere pertence ao concelho e comarca de Santa Comba Dão, distrito e diocese de Viseu. Situada entre o Dão e o Mondego, tem a União de Freguesias de Óvoa e Vimieiro, a oeste e norte, São João de Areias a este e o rio Mondego a sul. Dista, aproximadamente, seis quilómetros da sede do concelho e tem uma área aproximada de onze quilómetros quadrados. Tem como população cerca de 1090 habitantes em 536 fogos distribuídos por três povoações: Pinheiro de Ázere, Pinheirinho e Rojão Pequeno.

Pinheiro de Ázere foi vila e sede do concelho na comarca de Viseu. O seu concelho extinguiu-se em 1834, passando para São João de Areias. Em 1895 estabelece-se em Santa Comba Dão. Pouco se sabe da constituição deste extinto concelho, mas a "villa" de Ázere vem mencionada nas Inquirições de 1258, sendo o lugar de Pinheiro uma honra. A antiga freguesia era vigararia da apresentação da Mesa da Consciência e comenda da Ordem de Cristo.

Diz-se que a freguesia se denominava, nos primeiros tempos, Santa Maria do Pinheiro. A palavra Pinheiro deve ter tido origem no facto de ter existido, em tempos remotos, junto da ermida dedicada a Nossa Senhora, um monstruoso pinheiro que caiu por ocasião de um grande temporal, no ano de 1700. Esta ermida existiu em São Miguel Velho, em Pinheirinho.

Para uns a palavra Ázere deriva da palavra “azize”, que significa estimada. No entanto, há quem considere que ela deriva de “azar” que significa batalha. É possível que, em tempos bastante longínquos, se tenha travado alguma batalha muito importante, nesta região.

Pouco se conhece da constituição deste extinto concelho de Pinheiro de Ázere até ao século XIII, mas nas inquirições a que se procedeu em maio de 1258, ordenadas por D. Afonso III, diz-se que uma parte de Pinheiro pertencia a Santa Cruz de Coimbra e as outras três partes à Ordem do Templo, e que os seus homens iam nas hostes do Rei.

Foi nesta vila que o conde D. Pedro, filho de D. Dinis, esperou seu irmão D. João Afonso que o desafiara. Porém, a conselho de D. Afonso – o futuro rei – retirou-se com as suas hostes que o acompanhavam desde a Beira, evitando-se assim o confronto.

A 13 de julho de 1514 foi-lhe concedida Carta Foral, por D. Manuel, que regulamentava os direitos e os deveres dos habitantes da freguesia.

A partir de 1532, com a criação da mesa da consciência e ordens, tribunal criado por D. João III para a resolução dos diversos casos jurídicos e administrativos relativos ao mestrado da Ordem de Cristo, ficou este concelho pertencendo ao referido tribunal.

Em 1640, a vila de Pinheiro de Ázere tinha cerca de 100 vizinhos (hoje denominados jogos). Tinha dois tabaliães do público judicial e notas, escrivão da câmara, almotaceria – uma repartição que tratava somente de pesos e medidas -, inquiridor, contador distribuidor, escrivão de sisas, juiz ordinário e dos órfãos, escrivão dos órfãos e vereador.

Com reforma administrativa de 1836, esta freguesia deixou de ser sede de concelho, mas só em setembro de 1895 passou a estar agregada ao concelho de Santa Comba Dão.