Ir para conteúdo

São João de Areias

São João de Areias é uma freguesia portuguesa, pertencente ao município de Santa Comba Dão, distrito de Viseu, com 21,44 km² de área e 1 939 habitantes (2011). Possui uma densidade populacional de 90,4 hab/km².

A vila de São João de Areias foi sede de município desde antes de 1258 até 1895, ano em que foi repartido entre os municípios de Santa Comba Dão e Carregal do Sal. A localidade de São João de Areias, com o estatuto de vila possivelmente desde a Idade Média, acabou por perder tal título após a extinção do seu município, só o tendo recuperado no verão de 1997, após a publicação da Lei n.º 70/97 que a voltou a elevar à categoria de Vila.

Uma curiosa lenda atribui a origem do topónimo São João de Areias ao aparecimento de uma imagem de São João Baptista no areal do rio Mondego.

Uma velhinha ao encontrá-la teria gritado cheia de alegria: “Boa Nova! Boa Nova!” e por isso o local do achado ficou a chamar-se “Nova”. A notícia em breve se espalhou e os moradores da vila conduziram a imagem em procissão para a igreja. Assim, sendo a imagem de S. João e tendo sido encontrada nas areias do rio, a vila passou a denominar-se, desde então, S. João de (ou das) Areias e São João Baptista o seu padroeiro.

História
O território da freguesia de São João de Areias foi ocupado desde tempos remotos, tendo nele já sido encontrados diversos vestígios arqueológicos, sendo mais frequentes, contudo, as sepulturas rupestres e vestígios da época romana.

Da viragem do milénio I para o milénio II, mais precisamente dos séculos X e XII encontram-se vários documentos que se referem a São João de Areias a propósito da sua doação ao Mosteiro do Lorvão, à Sé de Coimbra e à Sé de Viseu. Desde essa altura que o território atual de São João de Areias compreendia as “vila” e mais tarde concelhos de Silvares e São João de Areias, sendo que este último - além da freguesia/paróquia com o mesmo nome - incluía também a freguesia/paróquia de Parada, atualmente pertencente ao concelho de Carregal do Sal.

Nos séculos XIII e XIV, São João de Areias é referido nas Inquirições de D. Afonso III e em vários outros documentos das chancelarias régias.

No início do século XVI, a 10 de abril de 1514, D. Manuel I concede foral ao concelho de São João de Areias e por volta desta época é erigido o pelourinho de São João de Areias.

O Cadastro da População do Reino de 1527 indica que o concelho de São João de Areias compreendia a freguesia com o mesmo nome e a freguesia de Parada. Os “moradores” (entenda-se “fogos”) da freguesia de São João de Areias eram os seguintes: 54 na vila, 19 na “villa diamteyra“, 4 na “povoa dos mosquitos”, 30 em “saom migell”, 33 em “castelejo”, etc.. O mesmo Cadastro informa que Silvares era então cabeça de um pequeno concelho, enclave do concelho de São João de Areias, onde viviam 25 “moradores”: 13 em Silvares, 8 no Casal e 4 na Venda [da Guarita].

É possível admitirmos, pela análise do número de fogos das aldeias da atual freguesia de São João de Areias aquando do Cadastro da População do Reino de 1527, pela imaginária (os padroeiros dessas aldeias são todos imagens do século XV e XVI) e pela análise da tipologia das capelas atuais, ter ocorrido um surto de edificações religiosas no século XVI só comparável ao que surgiria no século XVIII. Com efeito, as 7 capelas construídas de novo ou reconstruídas naquela época terão sido as de invocação de São Sebastião, São Pedro, São Silvestre, São João Evangelista, Santo António, São Miguel e a capela de Nossa Senhora da Graça; e talvez mesmo se possam acrescentar mais duas, a capela de S. José e de Nossa Senhora (em S. João de Areias) e a capela de S. Francisco (no Casal), existentes ainda na primeira metade do século XVIII.

Em meados do século XVII, os concelhos de São João de Areias e de Silvares eram cada um dirigidos por uma Câmara composta por um Juiz-presidente (Ordinário e dos Órfãos), Vereador(es) (3 no concelho de S. João de Areias e 1 no de Silvares) e por um Procurador “por Carta do Corregedor da comarca e se chama por Sua Majestade”. Esta situação manteve-se nos séculos seguintes, até à sua extinção.

O século XVIII, também aqui, foi uma época de grandes remodelações e de novas construções. Fruto da mentalidade e do poder económico de setecentos, a nobreza e o povo sãojoanenenses foram “edificando de novo“ a velha Igreja Matriz de São João de Areias e as capelas dos santos padroeiros de algumas das suas aldeias.

No século XIX, o concelho de Silvares é extinto na sequência da reforma administrativa de 1836 e fundido com o de São João de Areias. O território do concelho extinto de Silvares foi integrado na freguesia de São João de Areias pelo que o novo município passa a ser constituído pela freguesia alargada de São João de Areias e pela freguesia de Parada. Em 7 de Setembro de 1895 o município de São João de Areias por sua vez é extinto sendo a freguesia da sede integrada no município de Santa Comba Dão e a freguesia de Parada incluída no município de Carregal do Sal.

A localidade de São João de Areias acabaria por perder o seu estatuto de vila, o qual recupera a 12 de julho de 1997[1] , com a publicação da Lei n.º 70/97.

Geografia / Localização geográfica

A freguesia de São João de Areias localiza-se na zona este do município de Santa Comba Dão, distrito de Viseu. A freguesia tem 21,44 km² de área e 1 939 habitantes (2011), possuindo uma densidade populacional de 90,4 hab/km². Freguesia beirã localiza-se na região histórica da Beira Alta definida na década de 1930 pelo geógrafo Amorim Girão.

Com uma forma relativamente em losango a freguesia tem a sua fronteira norte–noroeste definida pelo rio Dão e sul–sudeste definida pelo rio Mondego. Dentro do município de Santa Comba Dão, São João de Areias faz fronteira a norte com as freguesias de Treixedo e de Nagozela. A noroeste faz fronteira ao longo de mais de 1 km com a freguesia de Santa Comba Dão e em um único ponto com a de Couto do Mosteiro, num caso onde as fronteiras de 4 divisões administrativas portuguesas se juntam. A oeste faz fronteira com as freguesias do Vimieiro e de Pinheiro de Ázere. A este, São João de Areias delimita com o município de Carregal do Sal e a sul, numa fronteira definida pelo rio Mondego, com o município de Tábua.


 Aldeias da freguesia
Para além da vila de São João de Areias existem na sua freguesia as seguintes aldeias:

    Campolinho
    Cancela
    Casal
    Casas Novas
    Castelejo
    Cernada
    Fonte do Ouro
    Guarita
    Póvoa dos Mosqueiros
    Prados
    Quinta do Rio
    Ranha
    São Miguel
    Sardoal
    Silvares
    Vale Pinheiro
    Vila Dianteira
   Quintas: Quinta do Borges & Irmão; Quinta da Mascota; Quinta da Levegada, Quinta da Castanheira, Quinta da Abelenda, etc.


Património
Sendo uma freguesia já com uma longa História, São João de Areias possui um diversificado património histórico:

Arqueologia:
    - Vestígios da ocupação pré-histórica — na Costa (Silvares) e na área da Quinta da Castanheira
    - Vestígios da ocupação romana — em São João de Areias e Vila Dianteira.
    - Sepulturas escavadas na rocha — em vários locais da freguesia, com destaque para as necrópoles de S. João de Areias (no adro da Igreja, vilmente subterrada) e da Regueiras (Casas Novas/Vila Dianteira).


Documento do século X — doação ao Mosteiro do Lorvão em 981
 Documento do século XVI — Foral Manuelino de São João de Areias, de 10 de abril de 1514
 Pelourinho de São João de Areias
 Casas do século XVI
 Igreja Matriz de São João de Areias

 

Capelas públicas:
        - Capela de São Sebastião (anterior ao século XVII)
        - Capela de Santo Cristo (século XVIII)
        - Capela de São Pedro (século XVIII) — na sede de freguesia, S. João de Areias;
        - Capela de São Silvestre (século XVIII) — em Vila Deanteira;
        - Capela de São João Evangelista (anterior ao século XVII) — em Castelejo;
        - Capela de Santo António (anterior ao século XVII) — em Silvares;
        - Capela de São Miguel (século XVIII) — em S. Miguel;
      - Capela de Nossa Senhora da Graça (inaugurada em 31 de outubro de 1998 e que substituiu a capela antiga, anterior ao século XVII, mandada demolir em 31 de agosto de 1998) — na Póvoa dos Mosqueiros.
    


Personalidades célebres
sé da Silva Carvalho (1782–1856) — obreiro da Revolução de 1820 e ministro de governos dos reinados de D. João VI, de D. Pedro IV e de D. Maria II.
    Manuel de Serpa Machado (1784–1858) — académico e deputado.
    Bernardo de Serpa Machado (1787–1832) — juiz.
    Manuel de Serpa Pimentel (1818–1910) — 2.º Barão de São João de Areias
    Maria do Céu da Silva Mendes (1847–1933) — pianista e filantropa.
    Raul Jorge Wheelhouse (1901- ?) - médico e cirurgião antifascista

 

Fonte: wikipédia (com revisão de Antónip Neves)